Empreender com Inteligência Emocional

[et_pb_section bb_built=”1″ _builder_version=”3.0.47″][et_pb_row _builder_version=”3.0.48″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text _builder_version=”3.13.1″]

Empreender não é uma tarefa fácil no Brasil. Entretanto, isso não nos impede de prosseguir com o nosso sonho. É por isso que o Brasil encontra-se entre os 15 países que mais empreendem no mundo.

Começar o próprio negócio não é uma tarefa fácil mesmo para as pessoas que se preparam para empreender. Na maioria das vezes, você foca atenção e esforços na prática de como abrir e sustentar sua empresa e colaboradores. Entretanto acaba se esquecendo de pensar no ponto mais importante: olhar para si mesmo e para o seu modelo de liderança.

Quando me refiro ao “olhar para si mesmo”, quero que você observe qual o seu estilo comportamental. Analise qual o seu estilo de liderança, quais seus pontos fortes e quais precisam ser melhorados. Desta forma, você poderá assumir novos desafios, delegar e fazer a gestão do seu negócio para que haja o crescimento desejado.

Pensando nesse tema, “Empreender com Inteligência Emocional”, quis chamar a atenção para dois pontos importantes. Eles fazem parte do que chamamos de estrutura da Inteligência Emocional: a autoconsciência e a autogestão. São pontos fundamentais para a base do autodomínio.

Ter consciência sobre nossos estados interiores e conseguir geri-los, nos torna um individuo extraordinário nas nossas relações, na nossa vida e no nosso negócio.

Contudo, como podemos alcançar esse estágio?

Em primeiro lugar, devemos entender nossas emoções. É preciso identificar um padrão recorrente de comportamento que nos afeta, e, em quais circunstâncias nos descontrolamos. Entender o que nos faz tomar uma decisão contraproducente, ou ainda, perder a razão e abdicar de tudo.

Façamos um exercício.
Pegue o último episódio de descontrole ocorrido e reflita sobre ele. Analise a situação como se você estivesse olhando de fora e não estivesse envolvido. Analise o que foi dito, analise o ambiente, o comportamento da outra pessoa. A partir disso, tome consciência do que realmente te abala.

Feita essa análise, determine quais os pontos que te abalam e entenda o porque dessa situação te abalar a esse ponto. Feito isso pense como você vai se comportar quando essa situação ocorrer novamente.

Elabore e trace novas estratégias de comportamento para o caso de episódios similares. Quando isso acontecer, e acontecerá com certeza, você precisa assumir uma postura diferente dessa forma. Assim, vai obter resultados positivos, e quebrar um ciclo negativo.

Quando você consegue realizar a análise crítica da situação onde houve descontrole, você está exercitando a sua autoconsciência. Quando você entende o que te afeta e consegue agir de forma diferente dentro de uma situação que antes lhe era prejudicial, você está exercitando a autogestão das suas emoções.

Diante disso, você está apto a controlar suas emoções e gerenciar melhor seu comportamento e tomando decisões mais assertivas.

Para fechar esse artigo, cito Daniel Goleman, ph. D.:

[…] o impulso é o veículo da emoção; a semente de todo impulso é um sentimento explodindo para expressar-se em ação. Os que estão à mercê dos impulsos – os que não têm autocontrole – sofrem de uma deficiência moral. A capacidade de controlar os impulsos é à base da força de vontade e do caráter. […]

Maria Pereira

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *